Resumo de Todas as Escolas LITERÁRIAS BRASILEIRAS Ordem Cronológica

No panorama da Literatura nacional, as diversas Escolas Literárias Brasileiras desempenham um papel crucial na compreensão da evolução e complexidade da expressão artística no país. Sendo assim, cada escola reflete não apenas as transformações estéticas, mas também as mudanças sociais, culturais e políticas ao longo do tempo. 

Te convido para esta jornada literária que transita pela história da cultura escrita brasileira.

Primeiramente: O que significa uma Escola Literária?

Uma escola literária nasce quando um determinado grupo de escritores compartilha características similares em sua obra. Elas surgem como uma reação ao contexto social, histórico e cultural ao qual estão inseridas e, às vezes, é possível identificar uma linha de pensamento comum entre eles.

escolas literarias brasileiras

Quais são as Escolas Literárias Brasileiras?

Quinhentismo, Barroco, Arcadismo, Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo, Simbolismo, Pré-Modernismo, Modernismo e Pós-Modernismo.

Escolas Literárias Brasileiras em Ordem Cronológica

As Escolas Literárias no Brasil foram divididas primeiramente em duas grandes eras: Colonial e Nacional, e nelas estão contidas as fases da Literatura Brasileira. Logo abaixo você terá um resumo bem objetivo de todas em ordem cronológica, com um mapa mental e uma linha do tempo no final para facilitar seus estudos.

Era Colonial

Período em que o Brasil era colônia de Portugal

Quinhentismo (1500-1600)

Antes mesmo das escolas literárias formais, o Quinhentismo introduziu os primeiros registros escritos no Brasil durante o período colonial. As cartas de Pero Vaz de Caminha e outros documentos desse período inicial são os marcos iniciais da literatura brasileira.

Principais autores: José de Anchieta, Manuel da Nóbrega, Pero de Magalhães Gândavo e Frei Vicente de Salvador

Principais obras: A Carta de Pero Vaz de Caminha e Auto da festa de São Lourenço, de José de Anchieta

Barroco (1600-1768)

Marcado pela exuberância formal e temáticas religiosas intensas.

Principais autores: Bento Teixeira, Padre Antônio Vieira e Gregório de Matos

Principais obras: Os sermões, de Pe. Antônio Vieira e os poemas líricos, sacros e satíricos de Gregório de Matos.

Arcadismo (1768-1836)

Emergindo como uma resposta ao Barroco, o Arcadismo trouxe a simplicidade e a natureza como temas centrais.

Principais autores: Cláudio Manuel da Costa, Basílio da Gama, Tomás Antônio Gonzaga. Alvarenga Peixoto e Frei Santa Rita Durão.

Principais obras: Vila Rica, de Cláudio Manuel da Costa e Marília de Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga

Era Nacional

Período iniciado após a independência do Brasil

Romantismo (1836-1881)

Uma explosão de emoções e nacionalismo, o Romantismo marcou uma fase de intensa expressão individual.

Principais autores: Gonçalves de Mgalhães, Joaquim Manuel de Macedo, Gonçalves Dias, Bernardo Guimarães, José de Alencar, Álvares de Azevedo e Castro Alves.

Principais obras: A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, Os timbiras, de Gonçalves Dias, A escrava Isaura, de Bernardo Guimarães, Amor de perdição, de Camilo Castelo Branco, O guarani, de José de Alencar (disponível aqui no site pelo LINK) e Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães.

Realismo/Naturalismo (1881-1893)

Com um olhar crítico para a sociedade, o Realismo e o Naturalismo exploraram as nuances da condição humana. Machado de Assis, considerado o mestre do Realismo no Brasil, é uma figura central nesse período.

Principais autores: Aluísio Azevedo, Adolfo Caminha, Raul Pompeia, Eça de Queiroz, Machado de Assis, Raul Pompéia, Artur Azevedo, Domingos Olímpio, Inglês de Sousa, Júlio Ribeiro e Manuel de Oliveira Paiva.

Principais obras: Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (disponível aqui no site pelo LINK), O Primo Basílio, de Eça de Queirós ( você pode baixar aqui no site pelo LINK) e O cortiço, de Aluísio Azevedo.

👉Inclusive há uma análise do livro O Cortiço aqui no site é só clicar neste link

Parnasianismo (1881-1922)

Valorizando a forma poética e a estética, o Parnasianismo destacou-se pela busca da perfeição formal.

Principais autores: Alberto de Oliveira, Teófilo Dias, Raimundo Correia e Olavo Bilac foram expoentes desse movimento.

Principais obras: Poesias, de Olavo Bilac, Fanfarras de Teófilo Dias, Vaso Chinês, de Alberto de Oliveira e As Pombas de Raimundo Correia.

Simbolismo (1893-1922)

Buscando a expressão subjetiva e simbólica, o Simbolismo influenciou o cenário literário. Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens foram figuras-chave nesse período.

Principais autores: Cruz e Sousa, Alphonsus de Guimaraens, Gilka Machado, Pedro Kilkerry e Augusto dos Anjos.

Prinicpais obras: Missal e Broquéis, ambas de Cruz e Souza

Pré-Modernismo (1902-1922)

Marcando a transição entre o simbolismo e o modernismo, o Pré-Modernismo trouxe reflexões sobre a identidade brasileira. Lima Barreto e Euclides da Cunha são importantes representantes desse momento.

Principais autores: Augusto dos Anjos, Coelho Neto, Euclides da Cunha, Graça Aranha, Lima Barreto, Monteiro Lobato e Raul de Leoni.

Principais obras: Os sertões, de Euclides da Cunha, Canaã, de Graça Aranha, Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, Urupês, de Monteiro Lobato e Eu, de Augusto dos Anjos.

Modernismo (1922-1945)

O grande marco da ruptura com as tradições, o Modernismo revolucionou a literatura brasileira. Com a Semana de Arte Moderna de 1922 como ponto de partida, figuras como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, e Manuel Bandeira redefiniram os rumos da escrita nacional.

Principais autores: Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, João Cabral de Melo Neto
Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Jorge Amado, Fernando Pessoa e Graciliano Ramos.

Principais obras: Mensagem, de Fernando Pessoa, Memórias sentimentais de João Miramar, de Oswald de Andrade, Macunaíma, de Mário de Andrade, Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, A rosa do povo, de Carlos Drummond de Andrade e Capitães da areia, de Jorge Amado.

Pós-Modernismo (1945-Até os dias atuais)

Destaca-se pela diversidade estilística e influências globais, rompendo com as características mais uniformes do modernismo. Autores como Luiz Ruffato exploram intertextualidade e fragmentação narrativa. A literatura pós-moderna reflete uma sociedade complexa, abordando identidade, globalização e tecnologia.

Principais autores: Clarice Lispector, João Cabral de Melo Neto, Décio Pignatari, Ferreira Gullar, Augusto de Campos, Haroldo de Campos, João Guimarães Rosa, Antônio Callado, Adélia Prado, Caio Fernando Abreu, Carlos Heitor Cony, Cora Coralina, Dalton Trevisan, Lya Luft, Millôr Fernandes, Murilo Rubião, Nélida Pinõn, Luiz Ruffato, Paulo Leminski e Rubem Braga, entre muitos outros da atualidade.

Principais obras: Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, O Homem da Mão Seca, de Adélia Prado, A vida como ela é…, Nelson Rodrigues, Tu não te moves de ti, de Hilda Hilst, Toda Poesia, de Paulo Leminski, Perdas e Ganhos, Lya Luft, Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu e As Meninas de Lygia Fagundes Telles.

Escolas Literárias Brasileiras MAPA MENTAL

escolas literarias brasileiras mapa mental

Este é apenas um resumo prático para facilitar seus estudos sobre as Escolas Literárias Brasileiras, e espero que o artigo cumpra esta finalidade. Um abraço e até a próxima!

Comentários

Não deixe de comentar!