Literatura do Barroco no Brasil

O termo Barroco surgiu apenas no século XVIII, sendo uma denominação utilizada pelos classicistas para designar algo irregular, extravagante, confuso, referindo-se ao estilo literário predominante no século XVII.

Caracterizado pela ausência de clareza das ideias e pelo uso abusivo de ornamentos, contrapondo-se à sobriedade Renascentista, o Barroco prioriza o excesso de detalhes e o rebuscamento. Lígia Cademartori,
em Períodos literários, estabelece uma série de oposições entre a estética Barroca e os preceitos da arte Renascentista.

Diferenças entre o Barroco e o Renascimento

Na tabela abaixo é possível conferir as principais diferenças entre o Barroco e o Renascimento:

Contexto Histórico

A localização histórica do Barroco se dá entre o Renascimento e o Arcadismo, dois períodos que apresentam similaridades temáticas e estilísticas, pois ambos tiveram como origem ou matriz a poesia grega e latina da Antiguidade, que defendia o predomínio da clareza e do equilíbrio.

O Barroco, ao contrário, inspirado pelos princípios da Contrarreforma, notabilizou-se pelo excesso, pela exuberância. No lugar da harmonia Renascentista, o movimento privilegiou a visão conflituosa.

É importante lembrar que, no início do século XVI, Martim Lutero contestou os dogmas da igreja católica, abrindo espaço para o protestantismo. A Contrarreforma vem a ser a reação da igreja aos valores do protestantismo.

barroco
Cena da Paixão de Cristo no Santuário de Bom Jesus do Matosinhos, em Minas Gerais. Obra produzida por Aleijadinho 


O estilo Barroco chegou ao Brasil pelas mãos dos colonizadores portugueses e espanhóis, leigos e religiosos. A igreja católica, de um modo geral, teve um papel fundamental como mecenas na arte colonial. Segundo apreciação de Afrânio Coutinho, em Introdução à literatura no Brasil, o estudo da época colonial oferece maior interesse para a compreensão da cultura brasileira, e de como passaram a ser definidas as formas de organização social e a constituição de costumes.

Para Coutinho, no Brasil dos séculos XVII e XVIII, a impregnação barroca na cultura brasileira foi forte.

“A serpe, que adornando várias cores,
Com passos mais oblíquos que serenos,
Entre belos jardins, prados amenos,
É maio errante de torcidas flores”

Manuel Botelho de Oliveira

O poema acima, do autor Manuel Botelho de Oliveira, exprime emoções intensas e nos dá pistas para entendermos melhor tal estética. O Barroco na Literatura valoriza os apelos cromáticos, as metáforas e antíteses que aparecem dentro de um trabalho engenhoso. Existe, na verdade, a proliferação de figuras.

De um modo geral, o Barroco utilizou duas vertentes básicas: o cultismo e o conceptismo.

O Cultismo

A vertente cultista, que tem como principal representante o poeta espanhol Luís de Gôngora, priorizava as metáforas, comparações e analogias. Quando se descreve a beleza física de uma musa, por exemplo, o brilho do sol é associado ao brilho do cabelo da mulher descrita.

O Conceptismo

A vertente conceptista trabalha com conceitos metafísico-religiosos e seus argumentos são estruturados por meio das antíteses, silogismos, o jogo das ideias.

Em resumo: Cultismo é o jogo de palavras e Conceptismo o jogo de ideias.

O Barroco no Brasil

No Brasil, tem-se o ano de 1601 como marco inicial do Barroco, quando da publicação de Prosopopéia, de Bento Teixeira. Obra construída em decassílabos heroicos para exaltar o capitão donatário de Pernambuco, Jorge Albuquerque Coelho, que no texto aparece como figura mais valorosa que todos os heróis da mitologia greco-romana juntos. No Brasil houve ecos do Barroco europeu, isto é, os autores repetiam motivos e formas do barroquismo ibérico.

Principais autores do Barroco no Brasil

  • Gregório de Matos
  • Frei Vicente de Salvador
  • Bento Teixeira
  • Manuel Botelho de Oliveira
  • Frei Manuel da Santa Maria de Itaparica

Gregório de Matos Guerra

Uma das figuras mais expressivas do Barroco no Brasil, Gregório de Matos nasceu em Salvador em 23 de dezembro de 1636 e morreu em 26 de novembro de 1696.

Alfredo Bosi, na sua História Concisa da Literatura Brasileira, faz um breve comentário de um dos poemas mais notáveis do sátiro baiano. Segundo Bosi, no poema “Triste Bahia”, Gregório se identifica com a sua terra espoliada pelo negociante português, o sagaz “brichote”.

Triste Bahia! Oh quão dessemelhante

Triste Bahia! ó quão dessemelhante
Estás e estou do nosso antigo estado!
Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
Rica te vejo eu já, tu a mi abundante.

A ti tocou-te a máquina mercante,
Que em tua larga barra tem entrado,
A mim foi-me trocando, e tem trocado,
Tanto negócio e tanto negociante.

Deste em dar tanto açúcar excelente
Pelas drogas inúteis, que abelhuda
Simples aceitas do sagaz brichote.

Oh se quisera Deus que de repente
Um dia amanheceras tão sisuda
Que fora de algodão o teu capote!

Características do Barroco

A literatura barroca, que floresceu principalmente nos séculos XVII e XVIII, apresenta uma série de características distintas. Vale ressaltar que o Barroco não foi apenas um movimento literário, mas também abrangeu as artes plásticas, arquitetura e música. Abaixo estão algumas características típicas da literatura barroca:

Contraste e Conflito: O Barroco é marcado por uma profunda dualidade e contraste. Há uma forte presença de elementos opostos, como luz e sombra, vida e morte, céu e terra, que são explorados para expressar a complexidade da experiência humana.

Expressão de Emoções Intensas: A literatura barroca busca provocar emoções intensas no leitor. Os escritores barrocos frequentemente utilizam a retórica para criar um impacto emocional, explorando temas como amor, paixão, desespero e morte.

Uso Excessivo de Ornamentos: Caracteriza-se pelo uso abundante de metáforas, jogos de palavras, figuras de linguagem e outros recursos ornamentais. Os escritores barrocos valorizam a expressão sofisticada e elaborada.

Estilo Conceptista e Cultista: Dois estilos literários distintos surgiram durante o Barroco na Espanha. O estilo conceptista valoriza a agudeza intelectual e a expressão direta das ideias, enquanto o estilo cultista enfatiza a musicalidade e a ornamentação, muitas vezes à custa da clareza.

Uso da Antítese e Paradoxo: A literatura barroca frequentemente emprega antíteses (contrastes marcantes) e paradoxos (ideias aparentemente contraditórias) para enfatizar a tensão e a dualidade inerentes à vida e à natureza.

Temporalidade Complexa: A concepção do tempo no Barroco é muitas vezes fluida e complexa. O presente, passado e futuro podem se entrelaçar, refletindo a visão barroca da transitoriedade e efemeridade da vida.

Religiosidade Profunda: A religião desempenha um papel significativo na literatura barroca, com frequentes referências a temas espirituais, teológicos e místicos. A busca espiritual e a luta entre o divino e o terreno são temas recorrentes.

Desconfiança da Razão: O Barroco expressa uma desconfiança em relação à razão e à lógica como meios suficientes para compreender a complexidade do mundo. Em vez disso, destaca a importância da experiência subjetiva e da intuição.

Estas características são geralmente aplicáveis à literatura barroca, mas é importante notar que o Barroco variou em manifestações em diferentes regiões e teve características distintas em países como Espanha, Portugal, Itália, França e América Latina.

Vídeo sobre o Barroco no Brasil

Comentários

Não deixe de comentar!