GÊNEROS DISCURSIVOS, Tipologias Textuais e Suporte

O que são Gêneros Discursivos?

Podemos definir como gêneros discursivos as formas estáveis de enunciados, existindo em número quase ilimitado, sendo caracterizados por três elementos: conteúdo temático, construção composicional e estilo.

Não devemos confundir gêneros discursivos com as tipologias textuais, nem com o suporte. Na sequência vou apresentar a diferença entre cada um deles. Vamos lá!

generos discursivos

Tipologias textuais

Tipologia textual se trata da forma como um texto se apresenta dentro de uma estrutura fixa ou modelo

As tipologias textuais mais comuns são:

Narrativa

Possui narrador e conta um enredo que envolve espaço, tempo e os personagens. Exemplos: contos, romances, novelas, fábulas, crônicas, anedotas, poemas e lendas.

Descritiva

Descrição ou retrato escrito de lugares, objetos, pessoas, sentimentos, acontecimentos, etc. Exemplos: biografia e autobiografia, relatos, diários, notícias, currículos, cardápios, etc.

Dissertativa

Exposição de ideias, argumentações e opiniões. Exemplos: Dissertações, editoriais, artigos, carta aberta, manifestos, etc.

Expositiva

Exposição de pontos de vista, conceitos, conhecimentos e esclarecimentos. Exemplos: Reportagens, seminários, artigos científicos, fichamentos, etc.

Injuntiva

Ensina, passa instruções e indica como realizar uma ação. Exemplos: Bula de remédio, manuais, editais, etc.

Suporte dos gêneros discursivos

Suporte ou portador é onde se veicula, ou publica-se o gênero, podendo ser físico ou virtual. Exemplos: Blogs, sites, revistas, livros, embalagem, outdoor, folder, etc.

Conclusão

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) são os norteadores do ensino nacional. Neles, é mencionado que o desenvolvimento da competência discursiva tem como unidade básica o texto, e, todo texto se enquadra em determinado gênero, assumindo assim funções comunicativas, as quais geram usos sociais. Mas há muitas questões envolvendo texto e gênero.

Diante de tudo disso é importante que, primeiramente, o (a) professor (a) conheça afundo essas diferenciações e semelhanças, para então montar seu Quadro Teórico de Referência, que servirá de base para que consiga realizar com eficiência o ensino de Língua Portuguesa através dos gêneros discursivos.

generos discursivos em sala de aula

Como trabalhar com Gêneros Discursivos em sala de aula

Dado o número extenso de gêneros criados em uma cultura, é preciso que o (a) professor (a) selecione quais deverão ser trabalhados, e isto deve ser pautado em critérios e conhecimentos teóricos.

Assim, algumas considerações deverão fazer parte desta escolha. Dentre elas:

  1. Trabalhar tanto com gêneros orais quanto com gêneros escritos;
  2. Observar a utilização que o aluno fará de cada gênero em sua vida;
  3. Trabalhar com os gêneros de ocorrência mais frequente e/ou constante na vida das pessoas;
  4. Trabalhar com textos tanto de uso privado, quanto com os de uso público;
  5. Optar por textos de gêneros que favoreçam a reflexão crítica, o exercício de formas de pensamento mais elaboradas e abstratas, bem como a fruição estética dos usos artísticos da linguagem;
  6. E por fim, trabalhar com tipos que entrem na constituição, se não de todos, da maioria dos gêneros.

Também é importante salientar que os (as) estudantes devem conhecer os exemplares e os modelos verdadeiros de um gênero, para assim refletir sobre a estrutura composicional dos gêneros. Muitas vezes são apresentados distorções e estereótipos que não representam verdadeiramente ao gênero, acrescidos ou retirados elementos.

Depois conhecer sobre a função social de cada um, levando o (a) aprendiz a produzir seu próprio discurso dentro do gênero apresentado, fazendo-o (a) refletir e realizar tarefas linguístico-discursivas, adaptando o que aprendeu e adequando às necessidades do seu contexto social. E o mais importante: estabelecer modos de levar os alunos e alunas a incorporar tais recursos em suas competências de produção e compreensão de textos.

Referências

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O que é um ensino de Língua Portuguesa centrado nos gêneros?. In Anais do SIELP. Volume 1, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2011. p. 509‐519. ISSN 2237‐8758.

Comentários

Não deixe de comentar!