Literatura Brasileira.net

 
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Iracema - José de Alencar - Romantismo

E-mail Imprimir PDF

O foco narrativo é em 3a. pessoa e o narrador é onisciente. O narrador participa da história: "Uma história que me contaram nas lindas vargem onde nasci".

 

01. O romance, na definição de Machado de Assis, é uma "poema em prosa", é um poema épico-lírico (para Machado de Assis, é um poema essencialmente lírico).

1.1. Elementos épicos
  • Ver relação fatos-autor-narrador ( nas epopéias e em Iracema - rever capítulo I).
  • Presença do "maravilhoso" nas epopéias e em Iracema.
  • Ver capítulo XI - a nota 5 - a intervenção do narrador "quebrando" o sentido mágico.

        O texto é épico por ser narrativo. José de Alencar narra os feitos heróicos dos portugueses na figura de Martim. Iracema, também, é transformada em heroína. É o vinho de Tupã que permite a posse de Iracema (presença do "maravilhoso"). Além disso, temos, também, a presença dos deuses indígenas representando as forças da natureza.

1.2. Elementos líricos


        O amor de Iracema por Martim: Iracema é a heroína típica do romantismo, que padece de saudades do amante, que partiu, e da pátria que deixou. Ela se enquadra dentro de uma corrente luso-brasileira cujo início data das cantigas medievais.

02. A narrativa se fundamenta em pesquisas históricas ou em lendas da tradição oral? Como o autor define o romance? Comparar ficção propriamente dita e as "notas".

        Conclui-se que "Iracema" se fundamenta tanto na história do Brasil quanto no relato oral. Segundo seu autor, é uma lenda: "Quem não pode ilustrar a terra natal, canta as suas lendas" (em carta ao Dr. Jaguaribe, sobre "Iracema"). "Este livro é irmão de Iracema. Chamo-lhe de lenda como ao outro" (Ubirajara).
        Martim Soares Moreno e Filipe Camarão são vultos da história do Brasil. Ambos lutaram contra a invasão holandesa. Martim é considerado, realmente, o fundador do Ceará e Poti recebeu a comenda de Cristo e o cargo de capitão-mor dos índios pelos seus méritos. Alencar prefere acreditar no relato oral quando se refere à tribo tabajara cruel e sanguinária que habitava o interior, quando a história diz ser uma tribo litorânea.

03. A narrativa se estrutura em "flash back". Comprove ( reveja o 1o. e o 32o. capítulos).


        O texto se abre pelo fim. Iracema, no 1o. capítulo, já está morta, e Martim, Moacir e o cachorrinho Japi vão embora na jangada. O 32o. capítulo narra a morte de Iracema e o 33o. conta o retorno de Martim para fundar o Ceará.

04. Análise do enredo.
        4.1. Ponto de partida.

  • Fato
  • Sentido Simbólico


        Fato: é o encontro de Iracema e Martim.
        Sentido Simbólico: o encontro do colonizador com o colonizado, ou seja, a relação português X terra brasileira.

        4.2. Elementos da trama - os elementos geradores do conflito.


        O dilema de Martim: oscila entre a fidelidade a seu amigo pitigura (Poti) e seu amor por Iracema (tabajara).
        Iracema não poderia ser desvirginada, pois era uma espécie de sacerdotisa.
        Irapuã, cacique da tribo, desejava Iracema e funciona como obstáculo à realização de Martim.

        4.3. Desfecho

  • Ambigüidade: primitivismo nacionalista X transplantação cultural.
  • Visão preconceituosa do narrador - capítulo final - referência a Deus.
  • Comparar batismo indígena de Martim (capítulo 24) ao batismo católico de Poti (capítulo 33).


        Martim volta à terra selvagem para fundar a Mairi (refúgio) dos Cristãos (Ceará). Com ele, vem o sacerdote da sua região. Poti ajoelha-se ao pé da cruz para receber o mesmo Deus de Martim. Além de perder a sua religião, perde também a sua cultura e o seu próprio nome.
        Segundo Alencar, finalmente "germinou a palavra do Deus verdadeiro na terra selvagem". Para ele, a cultura do branco e o Deus do branco são colocados como superiores aos dos indígenas.
        A cerimônia do batismo de Martim é episódica e superficial, não havendo nenhuma transformação básica em Martim, o que não ocorre com Poti.

05. As tribos indígenas, suas alianças e conflitos.


        As tribos são os Tabajaras (habitantes do interior) e os Pitiguaras (habitantes do litoral).

06. Elementos romântico. Sentido da Natureza (paisagens, animais).

        6.1. Na idealização dos personagens.


        Capítulo 2: É a Natureza que serve para pintar Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que as asas da graúna, mais longos do que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como o seu sorriso, nem a baunilha recendia no bosque como o seu hálito perfumado. Mais rápida que a ema selvagem...

        6.2. Na idealização da terra


        Capítulo 1: Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba. Verdes mares que brilhais como líquida esmeralda, afaga impetuosa, as brancas areias, a lua argentando os campos ( para idealizar a terra, usa a própria Natureza).

07. Associe personagens aos sentimentos e/ou qualidades.

1. Andira        ( 3 ) amor, abnegação, dedicação, sacrifício pelo amado
2. Araquém        ( 2 ) sabedoria e pendência da velhice
3. Iracema        ( 5 ) amizade
4. Irapuã        ( 6 ) afeto familiar fraterno
5. Poti        ( 1 ) impetuosidade do jovem
6. Caubi        ( 4 ) ciúme, oposição

08. Valores simbólicos.

        8.1. A palavra Iracema é um anagrama de AMÉRICA. Comente.


        Seria o símbolo secreto do romance de Alencar, que é o poema épico definidor de nossas origens históricas, étnicas (miscigenação, formação do povo brasileiro) e, sociologicamente, segundo Afrânio Peixoto.
        Iracema é o símbolo da terra brasileira virgem e exótica (Iracema morre assim como os índios - mostra a docilidade dos índios).
        Como Iracema se entrega a Martim e é destruída, a terra brasileira, por permissão dos índios ( que sofrerão uma aculturação), passara a ser de posse portuguesa.

        8.2. Iracema: objeto proibido do desejo: posse do objeto = transgressão.
        Comente:

  • Postura de Martim
  • O licor de Jurema
  • Postura de Iracema

        Há proibição de se tocar o corpo de Iracema. O gesto transgressor seria punido com a morte. Martim só procura Iracema sobre os efeitos da droga. Martim não tem o corpo de Iracema em seus braços, tem apenas a sua imagem. A virgindade de Iracema é justificada pela sua situação dentro da taba, onde ocupa o lugar de sacerdotisa de Tupã. Qualquer atitude dela para unir-se a Martim transgride os valores tabajaras. Mas o amor se revela mais forte e a postura de Iracema é, desde o início, de desobediência.
        O licor de Jurema é a droga que servirá como intermediário, isto é, que servirá para derrubar as barreiras entre os dois, remetendo a relação para o nível do inconsciente.

        8.3. Valor simbólico do personagem Moacir.


        Moacir simboliza o 1o. brasileiro nascido da miscigenação índio X português. Duas vezes filho da dor de Iracema: dela nascido e, também, dela nutrido. Tal mescla de vida e morte, de dor e de alegria, acha-se tematizada pelo leite branco, ainda rubro do sangue de que se formou.

9.0 Identifique características da linguagem de Alencar em "Iracema".


        Alencar tenta concretizar a proposta do Romantismo de construir uma linguagem brasileira. Tenta, então, escrever um romance usando termos indígenas, o que revela uma linguagem autenticamente nacional.
        Obs.: a busca de uma linguagem brasileira era reflexo de uma lusofobia que invadiu o Brasil na época do Romantismo.

10. Identifique exemplos da Linguagem não verbal (rever capítulos II, X, XI, XXVI)


        Quebrar a flecha da paz no encontro de Martim e Iracema.
        A flecha atravessando o gaiamum (Iracema deveria permanecer na cabana esperando a volta de Martim, não deveria seguir em frente).
        O ramo do maracujá: a flor da lembrança. Iracema deveria guardar, com a flor, a lembrança de Martim até morrer.

11. Compare o indianismo de Alencar ao indianismo de Osvald de Andrade

        I. Relações colonizador X nativo
        II. Valor simbólico do índio: nacionalismo X primitivismo

        I. Para Alencar, desta relação que se processou por permissão do índio, provocou o surgimento do povo brasileiro. Para Osvald de Andrade, a relação foi de antropofagia e aculturação: o português aproveitou-se da fragilidade do índio para a dominação.
        II. O índio, para Alencar, era a possibilidade de despertar, no povo brasileiro recém-independente, o amor pela pátria (nacionalismo ufanista). Para Osvald de Andrade, é a forma de criticar o absurdo da dominação portuguesa, a aculturação e a destruição de um povo (nacionalismo crítico).

 

 




Usuários On-line

Nós temos 22 visitantes online